Contacto

Asteróide observado recentemente foi o mais próximo da Terra

Um asteróide com entre três a seis metros de comprimento passou num raio de 2.950 km da Terra no domingo passado. O anúncio foi feito pela NASA, que diz ser o asteróide observado a passar mais próximo do planeta. Mas nem por isso perigoso.

© Créditos: AFP

Fonte: AFP

Um asteróide de entre três a seis metros de comprimento passou num raio de 2.950 km da Terra no domingo passado. O anúncio foi feito pela NASA, que diz ser o asteróide observado a passar mais próximo do planeta. Mas nem por isso perigoso.

Se tivesse colidido com a Terra, o 2020 HQ, não teria feito provavelmente qualquer dano, mas a sua desintegração na atmosfera teria provavelmente criado uma bola de fogo no céu, disse a NASA esta terça-feira.

A formação rochosa passou a sul do Oceano Índico no domingo às 6:08 da manhã, hora do Luxemburgo, a uma velocidade de 12,3 quilómetros por segundo, bem abaixo da órbita de cerca de 36.000 quilómetros onde voam a maioria dos satélites de telecomunicações. De acordo com os cálculos dos cientistas, o asteróide fez uma curva de 45 graus por causa do nosso planeta.

"É muito fixe ver um pequeno asteróide chegar tão perto, porque podemos ver a gravidade da Terra dobrar dramaticamente a sua trajetória", afirmou Paul Chodas, diretor do Centro de Estudos de Objectos Próximos da Terra, da NASA.

Ler mais:O primeiro dia na Terra depois do asteróide que extinguiu os dinossauros

O asteróide só foi avistado seis horas após a passagem por um telescópio do Observatório de Palomar da Universidade de Caltech na Califórnia, como uma longa linha de luz no céu. A NASA estima que asteróides deste tamanho passem pela Terra a esta distância várias vezes por ano, mas apenas alguns são detetáveis ou têm impacto na Terra. Caso raro foi o de Chelyabinsk, na Rússia, em 2013, quando a explosão de um asteróide com cerca de 20 metros de altura estilhaçou janelas durante quilómetros, ferindo cerca de mil pessoas.

Uma das missões da NASA é localizar formações rochosas de maior dimensão (com 140 metros) que possam constituir perigo para a Terra, bem como monitorizar os mais pequenos.

NOTÍCIAS RELACIONADAS